top of page
_MG_0515 ed2 - Mauro Alves.jpg

Baska mostra-se promissor com seu estilo distinto e batidas energéticas, chegando agora na Promo Audio!!!

 

Certamente um artista para ficar de olho no mundo Drum&Bass!

Confira a entrevista!

Como começou sua jornada na produção de Drum&Bass e o que o inspirou a seguir esse caminho musical?

Baska: 


Nos últimos anos da década de 90, dei meus primeiros passos na produção musical sem ter a mínima ideia de como proceder. Experimentei quase todos os softwares disponíveis no mercado, mas a constante frustração em não progredir sempre me levava a desistir. Naquela época, ser DJ era bem diferente do que é hoje em dia. Não bastava apenas tocar; era necessário dominar a técnica, ter um vasto repertório e um feeling único.

Durante os anos 2000, produzi quatro beats para um rapper local, porém logo abandonei o projeto. Em seguida, criei um duo de hardtechno que também não vingou. Após décadas de tentativas frustradas, em 2020, decidi me dedicar exclusivamente ao Drum&Bass. Passei quase um ano assistindo a vídeos no YouTube sobre técnicas de produção, mas ainda enfrentava dificuldades.

Foi então que surgiu a Bass Music Academy, criada pelo DJ Andy. Iniciar o curso foi um verdadeiro divisor de águas. Uma série de insights me preparou para o que estava por vir: desde criar um perfil em redes sociais até fazer lives tocando DnB e, posteriormente, usar essas plataformas para divulgar minhas músicas. Em menos de oito meses, finalizei minha primeira faixa, contando com a valiosa ajuda de outros produtores do curso, que me deram feedbacks essenciais e que, mais tarde, seria lançada.

A partir desses momentos, além do desejo de lançar músicas e me tornar um produtor relevante no mundo do DnB, também carregava consigo um sentimento de mágoa e frustração. Muitos aspirantes a produtores, como eu, foram ignorados quando buscavam ajuda, o que acabou por representar o fim de um sonho para muitos.

No entanto, hoje compreendo que meus processos criativos só evoluíram quando substituí esses sentimentos negativos por gratidão. Isso me tornou mais receptivo e preparado para ajudar aqueles que vêm até mim em busca de conselhos ou feedback. Minha inspiração surge das pequenas vitórias, como ouvir minha esposa elogiar uma música, ou saber que alguém foi a uma festa só para me conhecer.

A inspiração está também na solidariedade e no respeito pelo trabalho de novos talentos que surgem no cenário do DnB, assim como na amizade e apoio àqueles que lutam há anos pelo gênero. Fazer novas amizades ao redor do mundo através da música e do Drum&Bass é uma dádiva que valorizo profundamente.

A mensagem final é clara: a verdadeira inspiração deve vir de dentro de nós mesmos. Nossa música é uma expressão dos nossos sentimentos. Não devemos tentar imitar outros artistas, mas sim encontrar nossa própria voz.

Minha inspiração reside em todos esses momentos, em você (no singular, para enfatizar a singularidade de cada pessoa) e em tudo o que o DnB já me proporcionou e ainda proporcionará. Sou grato por cada passo até aqui e ansioso pelo que está por vir.

Poderia compartilhar conosco um pouco sobre sua trajetória até assinar com a Promo Audio? Quais foram os desafios e momentos marcantes?

Baska:


Meu primeiro lançamento, intitulado "Bounce", saiu em dezembro de 2022 na compilação da Bass Music Academy pela DNBB Records. A partir daí, foram várias faixas produzidas, algumas despertando grande interesse, outras não tanto. Recebi muitos feedbacks, alguns desconcertantes, mas muitos deles úteis para me ajudar a aprimorar meu trabalho.

O início foi um processo complexo, repleto de primeiros resultados e frustrações. Houve momentos de incerteza, questionando se estava seguindo o caminho certo na produção musical. No entanto, contei com o apoio de diversas pessoas que conheci através da BMA. Muitos desses produtores estão ascendendo na cena musical. Destaco o papel fundamental do DJ Andy e, principalmente, da minha esposa Erika, que me apoiou em todos os momentos, mesmo diante das dificuldades.

Novas músicas foram surgindo, quebrando barreiras. Destaco duas delas: "Season", que figurou em muitas playlists de usuários do Spotify e foi lançada pela Tamborim Records, e "Champion Select", criada durante uma estadia em Florianópolis, aceita e lançada pela 4Jungle Records. A partir daí, tive novos lançamentos por esses e outros selos brasileiros, além do meu primeiro EP por um selo internacional, a Liquid Brilliants.

Receber o aceite de uma das minhas faixas pelo DJ Rusty e sua gravadora foi uma grande vitória e um objetivo alcançado. É gratificante ver minhas músicas sendo tocadas em lives, muitas vezes sem eu esperar. Ver algumas delas figurando na playlist da Hospital no Spotify foi emocionante e inesquecível. Isso me faz feliz, pois entendo como um sinal de que minha música cumpriu seu propósito: fazer parte da vida de pessoas ao redor do mundo, em diversos momentos.

Quais são suas principais influências musicais no cenário do Drum&Bass? Existem artistas específicos que inspiram o seu trabalho?

 

Baska:


O Jungle foi minha primeira influência e, posteriormente, tudo que dele derivou. Com o surgimento de produtores brasileiros, passei a ter uma preferência pelo DnB fusionado com a música popular brasileira, incorporando seus vocais de bossa nova, samba, rap ou pop rock. Minha inspiração vem de inúmeros nomes tanto gringos quanto brasileiros, desde os já consagrados até a nova geração que desponta por aqui.

Assim como os gêneros principais, como liquid, jump up, neuro, dancefloor e roller, não mencionarei artistas específicos, pois são numerosos. No entanto, todos nós temos uma semelhança próxima com os nomes que nos inspiram ou são referências!

Como descreveria o som característico de Baska no Drum&Bass? Existe algum elemento ou estilo único que você procura incorporar em suas produções?

 

Baska:


Não sei ao certo se tenho um som característico. Não costumo me preocupar com os subgêneros que surgem a todo momento. Na minha visão, mais atrapalham do que ajudam o DnB. Tenho transitado do roller ao liquid, algo próximo ou distante do Jungle, não sei ao certo. Deixo as definições para os entendidos, rsrs, mas gosto de incluir reeses rasgados, wobbles, e horns nas minhas músicas sempre que possível. Vocais também são elementos que gosto de inserir, embora ainda seja uma parte que me demanda bastante trabalho. Estou me aprimorando, pelo menos eu acho...

Vocais de MCs também estão sempre no meu radar para criar músicas, mas é difícil encontrar um MC para colaborar neste início de carreira como produtor! A verdade é que busco fazer DnB, não importa o gênero ou subgênero, mas sim onde o feeling me levar e quais elementos escolher para cada música.

Agora que assinou com o selo Promo Audio, quais são suas expectativas e metas para essa parceria? Algum projeto especial em mente?

 

Baska:


Espero, obviamente, que a música agrade ao público que consome DnB, seja como DJ ou produtor. Desejo que ela se torne parte dos setlists de DJs ao redor do mundo. Além disso, espero que as pessoas comprem as faixas do EP, as incluam em playlists e que possam figurar em grandes listas de reprodução nas plataformas de streaming.

Procuro manter sempre uma relação próxima com a gravadora, enviando novas músicas e buscando aprovação para possíveis novos lançamentos a cada três meses. Quem sabe até uma colaboração com o DJ Rusty em algum momento? Seria incrível!

Como você lida com o processo criativo ao produzir uma faixa de Drum&Bass? Existem rituais ou abordagens específicas que você costuma seguir?

 

Baska:


Não tenho nada específico ou uma regra que sigo ou devo seguir. Na arte, as regras devem ser quebradas para alcançar resultados únicos. Até hoje, não tenho paciência para usar uma faixa de referência, analisá-la e, então, começar algo novo, mesmo sabendo que pode ser um facilitador. Minhas ideias surgem das faixas que ouvi ao longo da vida, daquelas que eu gostaria de remixar. Se existe um processo ou rotina, é simplesmente abrir a DAW e começar algo, às vezes pelo beat, outras vezes com uma voz ou um bassline, ou apenas testando diferentes elementos e deixando que o feeling seja o guia.

 

Parece uma regra ter bloqueios ou travamentos em pontos específicos da criação, algo comum a todos, eu acredito!

Quais desafios você enfrentou no início de sua carreira na música eletrônica, e como superou essas dificuldades?

 

Baska:

 

Acredito que, para todos nós em nosso país, o custo dos equipamentos, a dificuldade de acesso ao conhecimento e a barreira da língua, sabendo que a maioria do material estava em inglês, foram obstáculos significativos. Além disso, a mentalidade fechada de muitos produtores em compartilhar conhecimento e visão, visando perpetuarem-se como os donos da produção, sem ter como propósito o aumento da capacidade criativa e a consolidação da nossa música eletrônica no Brasil, especialmente diante da diversidade musical do nosso país.

Embora as dificuldades ainda persistam, a superação começou com o primeiro passo: a vontade de fazer, acima de tudo, movidos pelo amor à música. Felizmente, mesmo com os altos custos, ainda podemos criar algo de qualidade com poucos recursos. Com acesso à informação e conexão com pessoas com objetivos semelhantes, as dificuldades se tornam menores. O mais importante para todos é não colocar barreiras diante de seus objetivos. Faça aos poucos, mas faça!

Além de ter assinado com a Promo Audio, quais são seus planos para o futuro? Há colaborações, álbuns ou eventos notáveis que podemos esperar?

 

Baska:

Sigo com o objetivo de lançar faixas em todos os selos brasileiros, ou pelo menos na maioria deles, e, como todos, almejo alcançar os selos mais relevantes fora do Brasil, levando o DnB brasileiro a um público ainda maior. Atualmente, estou trabalhando em uma colaboração com o produtor brasileiro DJ Lliw, outra com um amigo produtor russo, ainda sem previsão, e planejando algo fora do convencional com o produtor brasileiro Madsoon.

Ainda este ano, tenho meu segundo lançamento internacional, desta vez pela Mathematica Records, com um EP contendo duas faixas. Além disso, tenho lançamentos agendados pela 4Jungle Records e uma nova faixa na coletânea do Bass Music Academy Vol.02.

Nos fale um pouco sobre a "Tha Sound" como foi o processo de criação dela?

 

Baska

 


Nesta faixa especificamente, a ideia surgiu após ouvir o sample com vocal feminino e criar o beat. Após incorporar vários elementos e filtrar aqueles que melhor se encaixam na tonalidade do bassline, o arranjo foi feito sem o uso de uma faixa de referência. Após incluir o synth, a música ganhou forma e passou de um projeto em potencial para uma faixa promissora.

 

Surpreendentemente, esta é uma das músicas que foram finalizadas em pouco tempo e sem o exagero de elementos comuns no início da produção. A faixa leva o nome cantado no vocal incluído na música e, juntamente com o bassline e o synth, são os elementos principais desta faixa!

Qual conselho você daria para produtores aspirantes de Drum&Bass que estão começando suas carreiras agora?

 

Baska: 

 

Apenas comece. Temos inúmeros produtores ensinando produção em vídeos gratuitos na internet. No entanto, não absorva informações de vários produtores diferentes sem praticar o que está buscando aprender, para não se tornar um especialista em informação, mas com pouca prática.

Faça contato com produtores da sua região e veja se há interesse em trocar conhecimento. Muitos dirão não, e isso faz parte do processo.

Existem cursos específicos de produção de DnB no Brasil, além de inúmeros produtores conhecidos que oferecem cursos em inglês. Se precisar fazer um curso para começar, encare-o como um investimento, não como um gasto.

Confira o lançamento do Baska na Promo Audio - Tha Sound "Street Series VOL.8" 

CS6505109-02A-BIG.jpg
bottom of page